(Foto: Montagem - Adriano Motta)
Ronaldo de Assis Moreira. Ou, simplesmente, Ronaldinho Gaúcho. Um dos maiores jogadores já lançados pelo futebol brasileiro. Rei na Espanha. Entre 2003 e 2008 viveu o auge da sua carreira e construiu, no Barcelona, uma história de invejar qualquer jogador que almeja ser grande algum dia.

Hoje, chega ao Fluminense após de boas temporadas pelo Atlético-MG, e atuações abaixo do esperado no Querétaro, do México. Pensando no marketing, uma contratação excepcional. Assim como fez com o time mexicano, Ronaldinho deve trazer reconhecimento internacional inimaginável ao Fluminense. Lucros em cima da sua imagem devem ser incontáveis, principalmente após o Clube contratar a agência África, para cuidar da 'marca' do Gaúcho.

Já no campo, a dúvida é inevitável. Enderson, desde que chegou ao tricolor, prioriza o jogo de compactação eficaz sem a bola, e objetividade com a posse da mesma. Tal estratégia, talvez, seja um dos principais fatores para a sequência de 11 jogos do treinador com 7 vitórias, 3 empates, e uma derrota - o Fluminense perdeu duas vezes no campeonato, mas, na primeira ocasião, o comando da equipe estava com Ricardo Drubscky.

Com Vinícius, o Flu tinha a qualidade de passe no centro do campo, além da boa marcação exercida pelo meia, proporcionando uma maior liberdade para Fred mais a frente. Já com Marcos Júnior, atacante cria de Xerém, também escalado no centro do campo, viabilizou o jogo de profundidade e de intensa movimentação, que ora ou outra encostava em Fred variando naturalmente o 4-2-3-1 para o 4-4-2.

Um jogador "isento" de marcação chega a ser viável para uma equipe competitiva. Como exemplo, pode-se utilizar o Grêmio de Roger Machado, que tem filosofia semelhante a de Enderson utilizando compactação e mobilidade de suas peças.

Grêmio reduzindo o espaço de campo do adversário enquanto Douglas fica livre no meio. (Foto: Reprodução / ESPN - André Rocha)
Mas quando se tem dois jogadores que não conseguem dedicar-se a marcação, o resto do time, obviamente, tende a ficar sobrecarregado. A proposta do 4-2-3-1 deve ser mantida com Ronaldinho no time. Os dois pontas - provavelmente Osvaldo e Gerson, afundam para acompanhar os laterais, enquanto Ronaldinho e Fred se aproximam, formando quase que o 4-4-1-1. O Sport utiliza dessa variação com Diego Souza e André.

Entretanto, o que preocupa é a faixa central do campo. O futebol moderno exige a participação intensa e direta dos volantes. A cultura de volante cão de guarda e meia armador a cada dia vai entrando no esquecimento. Portanto, um minimo espaço proporcionado ao volante adversário pode tornar-se fatal contra o sistema defensivo.

Porque mesmo que Fred se esforce para recompor na marcação, é notório que as características do jogador não o permitem executar tal função com qualidade. Ronaldinho, por ter perdido a característica de intensidade e velocidade com o passar dos anos, também não consegue recompor.

Com Fred e Ronaldinho "livres" da obrigação de marcar, o campo de ação dos volantes adversário aumenta.
Se sem a bola o 'fator Ronaldinho' preocupa, com ela a tendência é de êxito. O fraco nível do futebol brasileiro e suas equipes podem proporcionar grandes momentos ao jogador. Se motivado, deve executar o que fez no Atlético-MG campeão da Libertadores. Lançamentos para Jô, extremos de velocidade, e a qualidade de passe e conclusão do camisa 10, que, na maioria das vezes, estava próximo à área. Decidiu vários jogos para o Galo Mineiro dessa forma.

Nada muito diferente do que pode encontrar no sistema ofensivo tricolor com Fred, Gerson e Osvaldo.
O 4-2-3-1 do Fluminense com Ronaldinho.
De toda forma, a chegada de Ronaldinho desafia Enderson Moreira a um quebra-cabeça tático. Sua entrada vai desequilibrar o sistema defensivo. Mudar de alguma forma a postura será necessário. Assim como motivar o jogador será de suma importância.

Com 35 anos, a nova contratação do Fluminense volta ao Rio de Janeiro podendo ser ou não, junto a Fred, mais uma referência no elenco tricolor, principalmente para os garotos. Se vai ser uma referência boa, só o tempo dirá.

Os desafios táticos de Enderson Moreira com Ronaldinho e Fred juntos

Colados no chão, pilotos cruzam hangar voando a 300km/h na Pensilvânia

"Faxina" do FBI deve chegar a liga americana de beisebol (Foto: Getty Images)
A "faxina" promovida pelo governo americano na gestão do esporte não está limitada apenas aofutebol e ao escândalo envolvendo a Fifa. O FBI, agência federal de investigação dos Estados Unidos, também está de olho nos bastidores da Major League Baseball (MLB), a liga americana de beisebol. 

De acordo com o "The New York Times", há uma investigação em andamento sobre o suposto roubo de informações confidenciais de jogadores do Houston Astros por parte de funcionários não identificados do St. Louis Cardinals.

As irregularidades vieram à tona quando o site "Deadspin" publicou informações confidenciais de atletas dos Astros, em junho do ano passado. O rastreamento das informações levaram a uma casa na Flórida, que era supostamente utilizada por funcionários do St. Louis Cardinals. 

Segundo a reportagem, representantes da MLB e dos Cardinals, vice-campeão da última temporada, já teriam sido intimados pelo escritório do FBI em Houston, no Texas. Rob Manfred, comissário da da liga, afirmou nesta terça-feira que a entidade está cooperando com as investigações. 

- A MLB tem sido prestativa e cooperou plenamente com a investigação federal sobre a violação ilegal da base de dados dos Astros. Assim que o processo de investigação for concluído pelas autoridades federais competentes, vamos avaliar os próximos passos e tomar as decisões corretas rapidamente - afirmou Rob Manfred.

O acesso ilegal aos dados do Houston Astros teria acontecido em 2013. Os Cardenals também afirmaram que estão cooperando com as investigações em curso, mas só se posicionarão assim que o inquérito for concluído. Este é o mesmo discurso adotado pelos Astros, que dizem estar cooperando ativamente com o FBI, mas preferem não comentar o assunto por enquanto.

Escândalo da liga americana de beisebol é novo alvo do FBI

Vídeo patrocinado: Skype apresenta uma nova maneira de se conectar aos Winter X Games